sexta-feira, 28 de novembro de 2008

Circuito fechado

a fonte das lágrimas secou. também a das palavras.
o que resta de ti?
meter os punhos sangrentos na raiva dos dias
ruídos da cidade cega por modelar
argila pobre dos dias, massa lunar do silêncio
fragmentos da cidade cega, impossível o afecto
o que resta de ti?
amar o labirinto, abres os poros à sedução
de todas as contrariedades, amar o que é difícil.
fechas-te na sala oval do desespero e atrás
de cada porta o mistério. olha:
abre esta devagar, talvez seja o armário da poesia.

não dormes, pensas
o coração promete dar-te mais um dia.


(Maio 1995)
António Vitorino, Caderno nº 40

2 comentários:

Marina Sena. disse...

bom texto..
muito dramático...
forte por si só.

"meter os punhos sangrentos na raiva dos dias
ruídos da cidade cega por modelar" >> posso quase sentir a revolta desses versos.

até.

Fanzine Episódio Cultural disse...

A ACADEMIA MACHADENSE DE LETRAS (Machado-MG) comunica que estão
abertas as inscrições para o VIII Concurso Plínio Motta de Poesias, do
ano 2011.
Entrem em contato para adquirir o Regulamento:
a/c Carlos Roberto machadocultural@gmail.com
ESTE CONCURSO ESTÁ ABERTO PARA TODOS!

OBS: O VALOR DA INSCRIÇÃO ( 2 REAIS) PODE SER COLOCADO DENTRO DO ENVELOPE COM AS 6 CÓPIAS DA SUA POESIA.